Quebrando a barreira dos 200? | Por Rubens Muzio - Revista Práxis Missional
Site da Revista Práxis Missional. Publicação da Faculdade Teológica Sul Americana.
práxis, práxis missional, revista cristã, teologia, educação, ftsa, missão, missão integral, faculdade teológica sul americana,
744
post-template-default,single,single-post,postid-744,single-format-standard,woocommerce-no-js,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-title-hidden,qode_grid_1300,hide_top_bar_on_mobile_header,qode-content-sidebar-responsive,columns-4,qode-theme-ver-14.4,qode-theme-bridge,disabled_footer_bottom,wpb-js-composer js-comp-ver-5.4.7,vc_responsive

Quebrando a barreira dos 200? | Por Rubens Muzio

1. Introdução: O grande potencial das pequenas igrejas locais

As igrejas brasileiras, em sua maioria, são pequenas, rapidamente envelhecem, dificilmente crescem com qualidade e precisam urgentemente de revitalização. Apesar de conhecermos alguns grandes ministérios na vizinhança ou pela mídia, o tamanho médio da igreja local no Brasil não ultrapassa os 200 participantes. Como a igreja evangélica expandiu-se numericamente nos últimos anos, era de se esperar que o tamanho das comunidades locais também crescesse significativamente. Mas isso não aconteceu.[1] Os dados são melhores que as igrejas americanas. Lyle Schaller descreve a média de frequência dos cultos das seguintes denominações, nos EUA (Schaller, 2004, 209):

  • Assembleias de Deus: 97 participantes.
  • Conferência Geral Batista: 110 participantes.
  • Igreja dos irmãos: 58 participantes.
  • Igreja do Nazareno: 66 participantes.
  • Igreja cristã (Discípulos de Cristo): 71 participantes.
  • Igreja Episcopal: 79 participantes.
  • Igreja Evangélica do Pacto: 98 participantes.
  • Igreja Evangélica livre na América: 135 participantes.
  • Igreja Evangélica Luterana na América: 100 participantes.
  • Igreja Metodista livre: 56 participantes.
  • Igreja Luterana do Sínodo de Missouri: 125 participantes.
  • Igreja Presbiteriana na América (PCA): 98 participantes.
  • Igreja Presbiteriana (PCUSA): 74 participantes.
  • Igreja Reformada na América (RCA): 112 participantes.
  • Convenção Batista do Sul: 70 participantes.
  • Igreja Unida de Cristo: 74 participantes.
  • Igreja Metodista Unida: 53 participantes
  • Igreja Wesleyana: 59 participantes
  • Igreja Evangélica Luterana do Sínodo de Wisconsin: 93 participantes

Mesmo que a igreja não ultrapasse a barreira dos 200 participantes (há excelentes igrejas pequenas e não estou aqui advogando o crescimento meramente numérico), como desenvolver uma comunidade de discípulos de Jesus com qualidade bíblica e maturidade espiritual que esteja hábil para lidar com as profundas transformações sociais e culturais?

Na sua maioria, as igrejas locais funcionam como grupos sociais semifechados, com famílias amigas e conhecidas que participam dos ministérios locais semanalmente e se envolvem com reuniões departamentais há décadas. Mesmo que sejam grupos amigáveis de boa afinidade, essas comunidades não conseguem lidar com o envelhecimento nem compreender as mudanças sociais e culturais. Sem perceberem, essas comunidades apoiadoras têm imensas dificuldades para aceitar os visitantes, receber novos participantes e desenvolverem-se estruturalmente. Estão repletas de pessoas bem-intencionadas que, apesar de se reunirem nos finais de semana para os cultos e pequenos grupos, meramente se refugiam do stress social e buscam apoio emocional ou espiritual. Raramente se preocupam com sua participação efetiva no Reino de Deus na sociedade onde estão inseridos.

Neste artigo, eu quero apontar quatro desafios que demonstram a importância do tema. Dois desafios são externos: 1) A tensão entre o modelo de igreja rural e urbano e 2) a realidade das igrejas multigeracionais. E dois desafios são internos: 1) o modelo pastoral tradicional e 2) a limitações da cultura organizacional. As respostas que irei sugerir irão focar na missão, visão, estratégias e espiritualidade da igreja local.

Meu propósito aqui é ter um diálogo franco e honesto em busca da energia e vitalidade para o desenvolvimento de líderes e igrejas, considerando os desafios do envelhecimento bem como as exigências geradas pelos complexos processos de revitalização dos modelos eclesiais atuais e da necessidade da criação de novos modelos de ministério que acompanhem as mudanças sociais e culturais.

2. Quatro Desafios

2.1. A complexidade das cidades urbanizadas

Era comum na infância encontrar na sala de uma casa evangélica do interior o quadro dos “dois caminhos” O caminho da direita, do inferno, era a cidade, teatro, bancos, restaurantes, entretenimento, pessoas reunidas, e assim por diante. O caminho da esquerda, do céu, era dos campos, árvores, sol, poucas pessoas. A ideia da cidade como um local hostil, secular, impuro ainda permanece hoje nas pequenas igrejas.

Me recordo de o Dr Charles Van Engen iniciar uma série de preleções sobre missão urbana, na FTSA com as seguintes palavras: “As cidades são o principal campo missionário do século XXI”. Sua afirmação é uma verdade inquietante expressa por vários missiólogos.[2]

A urbanização é um fenômeno mundial. Cerca de metade da população mundial mora em cidades. Na década de 60, a população urbana representava 34% da população do planeta. Esse número saltou para 44% em 1992. Estima-se que 61,01 % da população mundial viverá nas cidades até 2025. Além disso, há cerca de 30 megacidades com uma população igual ou superior a dez milhões de habitantes. Tóquio, Mumbai, Jacarta, Karachi, Lagos e São Paulo são apenas alguns exemplos de cidades que ultrapassam os 20 milhões de habitantes.

Contudo, a cidade não consiste apenas de pessoas e problemas sociais, mas sim uma intricada concentração de valores, culturas, cosmovisões, sonhos, problemas sociais e estruturais. Olhando sob essa perspectiva, é possível entender que a cidade deixou de ser um conceito geográfico e passou a ser um conceito sociológico. As pessoas hoje vivem nas cidades em pequenos grupos culturais, tentando manter as tradições recebidas e inserindo outras que adquiriram ao longo de sua vida. Portanto, os centros urbanos são complexos mosaicos, crescentemente resistentes aos métodos evangelísticos tradicionais usados pelas pequenas igrejas do interior. A igreja precisa estar consciente que o mundo atual exige novos modelos de ministério sensíveis às mudanças socioculturais causadas pela urbanização.[3]

2.2. A realidade dos ambientes eclesiais intergeracionais

Sabemos que as igrejas têm pessoas pertencentes a vários grupos etários que demonstram valores e prioridades divergentes e que também representam diferentes cosmovisões e formas de pensamentos. Eles são chamados pela literatura de seniors, builders, baby boomers, geração X, Y, Z, etc [footonote examples]. Os mais idosos da igreja são os seniores nascidos antes de 1925, os builders (construtores), entre 1926 e 1945 e os baby boomers nascidos com a explosão demográfica após a segunda guerra mundial. Infelizmente não teremos tempo de detalhar cada uma, mas é suficiente dizer que são gerações que inventaram a teoria da administração e concentraram-se nas estruturas corporativas, normas, burocracia, hierarquias, produção, sucesso e assim por diante. A mulher raramente obteve espaço neste mercado profissional. Além de representam uma porção significativa dos pastores das igrejas tradicionais, eles ocupam várias das posições de liderança e influência nos conselhos e ministérios.

A geração X representa as pessoas nascidas aproximadamente entre 1965 e 1980 que, diante das transformações históricas e culturais causadas pela guerra fria, Vietnã, queda do Muro de Berlim e dos grandes estadistas, dentre muitas outras, possuem uma visão claramente contrária à dos padrões estabelecidos pelas gerações anteriores. Essa é a geração que experimentou a MTV, Apple, Microsoft, Tartarugas Ninja, He-Man, Disney Magic Kingdom, Blade Runner, cultura hippie e assim por diante. Inúmeras novidades e mudanças fizeram com que nós (e aqui eu me coloco dentro dela) participássemos de uma completa ruptura ideológica e social com as gerações anteriores. Com a internet e e-mail, essa geração, onde a mulher também encontrou seu espaço no mercado de trabalho, inventou novas metodologias e velozes formas de comunicação e gerenciamento. A geração X, apesar de representar uma geração de líderes que plantou novas comunidades e participou ativamente do movimento evangelísticos brasileiro, divide-se em vários conflitos de influência e poder com os seniors, builders, baby boomers na liderança das igrejas locais.

Por outro lado, a geração Millenials (Y), das pessoas nascidas entre 1980 e 1998 aproximadamente, está ocupando um grande espaço no mercado de trabalho e reinventando o conceito de civilização. Eles conheceram os Power Ranger, Orkut, o Rei Leão, Matrix e cresceram em meio aos twitters, ipods, iphones e androids. Boa parte da vida eles viveram num mix de mundo real e virtual, conectados ao mesmo tempo à família e à internet, escola, amigos no MSN, Facebook e reuniões pelo Skype. Por outro lado, priorizam o entretenimento e relacionamentos, restaurantes, shows, PS4 ou Xbox e fortes grupos sociais online. A busco por propósito, felicidade e equilíbrio em todas as áreas é mais importante que emprego, salário ou escritório. Sem sombra de dúvida, a geração Millenials está transformando a sociedade e a forma como países, organizações e empresas funcionam. Logo em seguida, vem a chamada geração Z, das pessoas que nasceram após 1998 com internet banda larga, google, smartphone, jogos online, e uma série de outros aparelhos eletrônicos. Com acesso e velocidade a um volume incalculável de informações a que nenhuma outra geração teve lhes dá um potencial enorme para as próximas décadas. Eles, sem dúvida terão uso pleno das tecnologias, serão mais focados e conseguirão executar múltiplas atividades com mais qualidade.

Portanto, as igrejas contemporâneas reúnem no mesmo espaço representantes de múltiplas mentalidades seniors, builders, baby boomers, geração X, Millenials e Z. Como lidar com suas diferenças intergeracionais? Eles se conectam com o mundo de forma diferente. Seus valores, propósitos, relacionamentos e prioridades são infinitamente diversificados e especializados.[4] Como tratar temas como a globalização do mercado, novas tecnologias de informação, alta competitividade, demanda por qualidade, crescentes exigências dos fiéis, estilos de culto, prioridades financeiras e mudanças na cultura organizacional?

Igrejas precisam ter consciência da tensão e desacordo que pode ser causado pelas diferentes mentalidades, valores e desejos que distanciam as diversas gerações. Para sobreviver e crescer, as igrejas precisam ouvir, compreender e receber em seus círculos de liderança e influência ministerial especialmente os novos líderes e expoentes das gerações X e Millenials. As igrejas pós-modernas precisam construir novos modelos de cultos intergeracionais (sensível as diversas gerações), educação bíblica intergeracional (não mais dividida por faixa etária), células e pequenos grupos intergeracionais (não apenas por afinidade, mas que engajem a família inteira: avôs, pais, filhos e netos), missão intergeracional (focada no alcance de todos os grupos sociais) e liderança intergeracional (com representantes influentes das gerações X, Millenials e Z).

2.3. A mentalidade de igreja pequena

O modelo em que a maioria das igrejas ainda se encaixa é aquele em que quase todas as expectativas de cuidado pastoral recaem sobre um profissional treinado para isso (e em alguns casos sobre líderes leigos treinados). Acima de todos, o pastor é a principal fonte de primeiros-socorros para as famílias da comunidade. A expectativa (e talvez até mesmo a obrigação) é que ele participe da maioria das reuniões dos ministérios, comissões, departamentos, grupos de oração, visitas aos enfermos e festas de aniversário. Seu ministério principal é atender as necessidades dos membros (que “pagam” o seu salário). Mesmo que não mais resida no fundo do templo, sem qualquer privacidade para sua família, sua disponibilidade e acessibilidade ainda devem continuar a ser totais.

O pastor de uma igreja pequena dedicado, despojado e preocupado com sua performance, tem dificuldade para descentralizar suas ações ministeriais, com os poucos líderes da sua comunidade. Sua habilidade para planejar, delegar e treinar novos líderes é limitada, preferindo fazer por si mesmo do que esperar que outros façam. Ele precisa jogar em todas as posições do time: defende como goleiro, corre para o meio de campo, avança para o ataque, cabeceia para o gol e volta rapidamente para a defesa. Com tendência (e necessidade?) ao ativismo, ele frequentemente se sente cansado, estressado e desanimado. Esta expectativa da função do pastor, comum nas pequenas e médias igrejas, impede o crescimento da igreja, diante da impossibilidade de um ser humano conseguir pastorear com eficiência mais de 100 pessoas.[5]

2.4. Os modelos de cultura governamental

O sistema de governo das igrejas é centralizado, sem compartilhamento de decisões e responsabilidades, funciona eficazmente somente em pequenas e médias comunidades e sobrecarrega a função pastoral. Em geral, 99% das decisões da igreja menor são tomadas por um grupo mais experiente de líderes leigos. Eles (as) representam algumas das famílias mais tradicionais e pessoas de influência e podem exercer o cargo de presbítero, obreiro ou diácono. Com o crescimento e o aumento da demanda de trabalho e decisões, este pequeno grupo não mais consegue gerenciar com agilidade os ministérios. Não é comum que compartilhem suas posições de liderança ou deixem seus cargos com a chegada de novos líderes promissores. Por vezes, decidem aumentar o número de membros do conselho ao invés de descentralizar suas ações. O problema continua e as reuniões administrativas se tornam mais cada vez mais complexas e conflituosas.

Além disso, o pastor (tempo integral ou parcial) precisa reconhecer e respeitar o domínio invisível que esse grupo dos principais acionistas e investidores majoritários exerce sobre a comunidade. Eles controlam os recursos—dinheiro, influência e permissão. Embora tenham contratado o pastor para liderá-los, na verdade não é isso que querem. Eles provavelmente chamaram o pastor para realizar as tarefas que não conseguem ou querem fazer. Mesmo que a igreja esteja crescendo, novos pastores levarão anos até que eles estejam dispostos a mudanças significativas no status quo. Novos pastores frequentemente optam por cuidar melhor dos mais novos, falhando em dar a liderança ou negligenciando os líderes mais velhos. Quem tem a maior capacidade para machucar o pastor? Os acionistas majoritários. Eles têm as chaves da cozinha, do templo e do orçamento financeiro. Como Andrew Cave disse, a cultura organizacional pode devorar a estratégia no café da manhã.[6] A resistência às mudanças, a sabotagem das estratégias e a centralização do poder de decisões é, de fato, responsável pela saída de inúmeros pastores, líderes e famílias.

Portanto, precisamos ter consciência dos fatores externos (a complexidade das cidades urbanizadas e a realidade dos ambientes eclesiais intergeracionais) bem como dos fatores internos (a mentalidade de igreja pequena e a cultura governamental) para que possamos experimentar a revitalização e renovação da igreja local.

3. Como ajudar a igreja local a ser revitalizada e desenvolver-se de forma saudável diante dos desafios externos e internos?

Eu quero propor com brevidade quatro elementos indispensáveis para a revitalização e desenvolvimento da igreja.

3.1. Espiritualidade

Em primeiro lugar, a comunidade precisa refletir sobre sua espiritualidade, em particular, revitalização e sua conexão direta com avivamento. Pastores e líderes devem examinar cuidadosamente a vida cristã da comunidade em seus cultos e ministérios por sinais de apatia, esterilidade e frieza espiritual. Vivemos uma vida piedosa e consagrada? Estamos submissos à Palavra e na dependência do Espírito? Servimos como discípulos de Cristo, obedecendo seus princípios no sermão do Monte, por exemplo? Temos prazer e alegria em fazer a vontade de Deus? Busquemos o Senhor e oremos por avivamento e revitalização. Avivamento é a cura de Deus para a nossa letargia moral e espiritual, para as deficiências espirituais, psíquicas, morais e sociais que não estariam presentes se o cristianismo real fosse praticado. Avivamento é o derramamento do poder de Deus que frequentemente leva a maior dedicação e compromisso com Deus, a leitura de sua palavra e a oração. Lembremos de sua promessa: “Porque assim diz o Alto, o Sublime, que habita a eternidade, o qual tem o nome de santo. Habito no alto e santo lugar, mas habito também com o contrito e abatido espírito, para vivificar o espírito dos abatidos e vivificar o coração dos contritos.” (Is. 57.15).

3.2. Missão

Em segundo lugar, a missão precisa ser revisitada. A missão da igreja local deveria responder à seguinte questão: por que nós existimos? No atual contexto sociocultural, é fundamental que a missão aponte para uma igreja robusta teológica e espiritualmente, que busque ser um referencial no pensamento bíblico e missiológico, bem como na formação e treinamento de líderes. A missão, portanto, precisa estar fundamentada numa sólida base bíblica e sobre um conjunto de valores teológicos. Quando bem articulada, a missão afirma claramente: “Quando pensamos em nossa igreja, isto é o que nos representa, é o que realmente somos acima de tudo, esta é nossa identidade, estes são os principais temas e passagens bíblicas”. Ele poderá incluir uma declaração da fé, crenças e doutrinas. Esta declaração fundamenta a filosofia de ministério e prática de vida para uma igreja local.

Missão deve ter caráter sistêmico e integralizador, compreendendo a totalidade de todas as experiências do ser humano, em seu contexto e história. Sua finalidade envolve a reconciliação de todos os eleitos e a restauração de toda a criação. Ele espera ver nosso esforço em melhorar este mundo imperfeito, agredido e ferido pelo pecado. Quando servimos ao mundo, procuramos transformar as suas situações imperfeitas, ministrando às suas feridas sociais e restaurando as suas dores culturais. Assim, promovemos a reconciliação, o amor divino e a paz social – desde o indivíduo e suas necessidades pessoais, até a família e as cidades a nível sociocultural em direção a toda criação – e exercemos o dom de Deus, num verdadeiro processo de transformação da realidade dominante. Um bom plano de ação é baseado no desenvolvimento de uma clara compreensão da missão, do propósito da Igreja. Missão é para uma organização o que o leme é para o navio: uma força estabilizadora que resiste ao desvio da direção pretendida.

3.3. Visão

Em terceiro lugar, um projeto de revitalização e desenvolvimento da igreja levará ao engajamento com uma nova visão: Aonde queremos chegar? A visão de ontem não mais funcionará hoje diante das rápidas mudanças da sociedade globalizada. Revise anualmente sua visão. O futuro almejado é uma figura, quadro ou fotografia de como gostaríamos que a igreja estivesse daqui a alguns anos, contando que Deus dirija e abençoe este projeto. Os líderes da igreja devem se dispor a investir suas vidas nos próximos anos neste sonho. Não podemos fazer todas as coisas. Precisamos focalizar a visão que esteja fundamentada nos valores e missão da igreja local. Visão afirma: “vamos fazer bem apenas algumas coisas”. As perguntas chaves são: com que se parece nossa visão do futuro? Qual será a cara da comunidade daqui a 5-10 anos com a plantação e crescimento de uma igreja saudável na área? Com o que desejamos que o nosso ministério se assemelhe se Deus abençoar e o dinheiro não for um empecilho? Se um jornal local fosse fazer uma matéria descrevendo a igreja, o que gostaríamos que ele dissesse a respeito?

Pensando numa visão compreensível que responda aos desafios externos e internos, a igreja local precisa ser contemporânea, missional, intergeracional e acolhedora. Contemporânea, não apenas honrando a história cristã e a tradição denominacional, mas olhando com esperança, inovação e criatividade para as formas e maneiras de ser igreja relevante no século 21. Missional, pois está consciente das mudanças socioculturais bem como reconhece que para impactar a cidade ela precisa ser uma comunidade urbana. Intergeracional, para ser uma família para as gerações, servindo igualmente as necessidades e prioridades de todas as idades, respeitando e valorizando suas diferenças. E acolhedora, pois é receptiva aos participantes e aos visitantes, bem como sensível às suas dificuldades para compreender e assimilar os costumes, tradições e linguagem cristã.

3.4. Estratégias

As estratégicas são metas bem planejadas e organizadas em torno de resultados realistas, mensuráveis e específicos, resultantes da espiritualidade bíblica, da missão teológica e da visão ministerial saudável. Em outras palavras “como nós iremos saber se estamos chegando lá?” Líderes devem pensar especificamente em estratégias que respondam aos desafios externos e internos: com relação ao mundo digital (mídias sociais e realidade virtual); às questões urbanas (justiça social e igreja como espaço comunitário); aos temas missionais (plantação de igrejas e missões urbanas); aos ministérios intergeracionais (eventos, cultos e grupos); e assim por diante. O desafio só será alcançado com objetivos adaptáveis ao contexto, através de um sábio planejamento baseado na compreensão das necessidades dos não-alcançados, do “know-how” da igreja local (ou seja, a partir dos dons, talentos e habilidades de seus membros) e, diferentemente de uma empresa ou organização, na dependência absoluta do Espírito Santo. Acima de tudo, estratégias são documentos repletos de fé. A falta de estratégias limitará com certeza o desenvolvimento da comunidade.

Conclusão

Como a igreja local poderá fazer isso na prática? Orem e adorem juntos, busquem ao Senhor, confessem suas limitações e apatia espiritual. Reúnam o maior número de líderes representantes de todos os grupos sociais da igreja. Peçam a Deus que lhes deem a missão, a visão e as estratégias. Escrevam à medida que Deus lhes falar. O que não pode ser escrito com clareza ainda não existe ou não está suficientemente pronto. Algumas perguntas podem ajudar a liberar a visão com mais clareza: Enquanto pensam sobre o futuro da igreja nos próximos 5-10 anos, quais seriam alguns ministérios chaves que acreditam que Deus gostaria que mantivessem? Quais são as coisas mais importantes, as quais creem que Deus gostaria que realizassem? Que projetos e ministérios entendem que Deus não gostaria que a igreja se envolvesse no futuro? O que com certeza devem evitar? Finalmente promovam ocasiões para que a missão, visão e estratégias se desenvolvam e amadureçam. Isso não acontece em duas ou três semanas. É como escrever um livro. Levará meses.

Bibliografia
SCHALLER, Lyle, Small Congregation, Big Potential : Ministry in the Small Membership Church. New York: Abinbdon Press, 2004.

[1] Podemos usar a média conservadora de 185 pessoas por igreja até que haja uma nova avaliação nacional do tamanho médio das igrejas e sua frequência dominical. As pesquisas realizadas pela Sepal em 2002, tanto em grandes cidades, como cidades do interior e vilarejos já indicavam que os 6,5% da população brasileira que se dizia evangélica e frequentava os cultos num típico domingo, correspondia a 70 pessoas por igreja. Existem obviamente igrejas com frequência muito maior, mas também existem igrejas com frequência muito menor que essa. Logo, 70 pessoas seria a média estimada de pessoas presentes num culto aos domingos. Naquele mesmo ano, a porcentagem de evangélicos no Brasil era 17,22%. Os pesquisadores da Sepal perguntaram então: se 70 pessoas correspondem a 6,5% de evangélicos que frequentam os cultos aos domingos, 17,22% da população evangélica representa quantas igrejas? Dividindo 17,22 por 6,5 e multiplicando por 70. O resultado foi o número de 185,44. É importante lembrar que à medida que o número de evangélicos cresce, a razão membros/frequência tende a cair. Além disso, o número de nominais que não frequentam igrejas tem aumentado significativamente diminuindo mais ainda o tamanho médio. Lourenço Kraft esteve à frente dessa pesquisa na época. Além desse autor, trabalharam por vários anos no departamento da Sepal Eunice Zilner, Oswaldo Prado e Luis André Bruneto.

[2] Veja Charles Edward van Engen, Transforming Mission Theology, 2017. Compare com Raymond J. Bakke, The Urban Christian : Effective Ministry in Today’s Urban World (Downers Grove, IL: InterVarsity Press, 1987) e Roger S. Greenway e Timothy M. Monsma, Cities : Missions’ New Frontier (Grand Rapids, Mich.: Baker Books, 2000).

[3] Veja José Paulo Pietrafesa, “A Interface Do Rural Com o Urbano Na Região Centro Oeste Do Brasil.,” Revista Educação & Mudança, no. 15 (2013): 129–43; Manuel Castells, A Questão Urbana (Paz e terra, 1983); e Milton Santos, A urbanização brasileira, vol. 6 (Edusp, 2005).

[4] Veja Elisabeth A Nesbit Sbanotto, Effective generational ministry: Biblical and practical insights for transforming church communities (Baker Academic, 2016); and Holly Catterton Allen e Christine Lawton, Intergenerational Christian formation: Bringing the whole church together in ministry, community and worship (Intervarsity Press, 2012).

[5] Veja Robert R Douglas, “A Comparison of Resistance and Openness to Change in Church Leadership and Church Growth through the 200 Barrier”, 2019.

[6] Andrew Cave, “Culture eats strategy for breakfast. So what’s for lunch”, Forbes, available at: www. forbes. com/sites/andrewcave/2017/11/09/culture-eats-strategy-for-breakfastso-whats-for-lunch, 2017.

Sobre o autor
Rubens Muzio é doutor em teologia pastoral, coordenador de REDE – Instituto de Revitalização e Desenvolvimento de Igrejas, professor da FTSA e missionário da Sepal. Contato com o autor: rubens@ftsa.edu.br.

Sem comentários

Envie um comentário